Confira 9 dicas para fazer um seguro de condomínio 1


Uma das recomendações mais sensatas que uma pessoa pode seguir quando adquire um carro é não sair com ele às ruas antes de fazer um seguro contra acidentes e roubos. Da mesma forma, demonstra sensatez quem recorre ao seguro de vida, que existe para resguardar o segurado e os familiares contra acidentes, doenças e da morte, que também não pode ser prevista.

Afinal, se por um lado ninguém é capaz de prever quando as fatalidades poderão ocorrer, por outro é possível se precaver contra elas fazendo um seguro. Esse mesmo raciocínio pode ser seguido com o seguro de condomínio, pois uma série de ocorrências pode surgir sem qualquer aviso, criando sérias dificuldades para o síndico. Mais do que isso, como veremos a seguir, ele é uma obrigatoriedade legal que não pode ser dispensada.

Neste artigo vamos apresentar 9 dicas que você deve considerar na contratação de um seguro de condomínio. Confira!

Entenda o que exige a lei

Por força do Código Civil brasileiro, que rege os aspectos relacionados aos condomínios e à gestão deles, e com o reforço da Lei nº 4.591/1964, que dispõe sobre o condomínio em edificações e sobre as incorporações imobiliárias, é de responsabilidade do síndico a contratação de seguro que ofereça a cobertura da edificação contra incêndios ou outros eventos que possam destruir total ou parcialmente as instalações.

Portanto, é preciso ter atenção para a possibilidade do seguro não ser adequado ou não ser suficiente para cobrir os danos, o que também levará o gestor a responder por eles.

Contrate coberturas amplas

Como a legislação não é específica quanto aos eventos que precisam ser segurados e como ficam vagas as coberturas de cunho obrigatório, é conveniente que seja contratado um seguro que garanta todos os tipos de ocorrências às quais a edificação esteja sujeita, como explosões, queda de raios, danos provocados por ventos e até para as mais raras ou incomuns, como queda de aviões e choques de veículos.

Em resumo: é muito conveniente que a apólice cubra o máximo de eventos quanto for possível.

Tenha atenção para as responsabilidades civis

Também é necessário não esquecer as inúmeras responsabilidades civis existentes, que podem significar ônus para o condomínio ou para o síndico.

De modo geral, elas podem ser as seguintes:

  • do condomínio, que garante a reparação de danos materiais causados a terceiros por acidentes ocorridos nas áreas comuns do condomínio;
  • do síndico, que garante a cobertura de prejuízos materiais decorrentes de ato, fato, omissão ou negligência do síndico no exercício de suas atribuições;
  • dos portões, que cobre os danos materiais causados a veículos por acidentes que decorram por defeito no funcionamento de portões automáticos do condomínio ou do acionamento indevido por funcionários do condomínio;
  • dos veículos simples, que indeniza roubo e incêndio de veículos regularmente guardados no interior do condomínio;
  • dos veículos global, que, além da cobertura simples, também prevê a cobertura de danos de colisão provocados por manobristas habilitados devidamente registrados pelo condomínio.

Certifique-se das coberturas existentes

Ter clareza sobre quais os itens cobertos pela apólice é extremamente relevante na contratação de um seguro de condomínio, sobretudo considerando aquelas coberturas que vão além das previstas por lei. Essa informação é necessária para ser repassada com segurança aos condôminos, a fim de evitar mal entendidos.

Por exemplo, é importante saber que o seguro contra incêndio, por exemplo, cobre danos ocorridos nos equipamentos e nas construções das áreas comuns e somente nas construções das unidades autônomas, considerando paredes, pisos, forros, esquadrias, portas e janelas, louças, etc. Contudo, não há cobertura sobre móveis, equipamentos, objetos de uso pessoal ou outros pertences dos condôminos.

Ao mesmo tempo, a cobertura sobre danos elétricos resguarda equipamentos do condomínio instalados nas áreas comuns, mas não resguarda os que pertencem aos condôminos.

Saiba quando as coberturas não se aplicam

Existem situações nas quais as coberturas não se aplicam. Por exemplo, se um veículo for manobrado no interior do condomínio por um manobrista inabilitado ou outra pessoa que não esteja na função de manobrista, a cobertura não é devida, mesmo se estiver contratada a responsabilidade civil global para veículos.

Outra situação é se os portões causarem quaisquer danos aos veículos sob a responsabilidade de motoristas que não observarem o tempo de abertura ou de fechamento; neste caso a cobertura também não se aplica.

Portanto, é essencial conhecer e divulgar cada detalhe das coberturas para manter-se preparado se ocorrer algum imprevisto.

Convoque uma assembleia com os condôminos

Como a contratação do seguro de condomínio é obrigatória por lei e faz parte das atribuições do síndico, ela prescinde da aprovação em assembleia para ser efetivada. Contudo, é conveniente envolver os demais condôminos com a questão, deixando clara a motivação da despesa. E isso pode ser feito de maneira apropriada em uma assembleia.

Na assembleia haverá a oportunidade para que todos compreendam a necessidade de contratação de um leque amplo de coberturas. Por exemplo, se o condômino souber que o carro dele estará segurado contra danos que forem causados nas dependências do condomínio, ele se sentirá mais confortável e tranquilo ao participar do rateio da apólice.

Entenda qual seguro de condomínio se aplica ao seu caso

As seguradoras reconhecem várias formas de enquadramento dos condomínios em suas modalidades de seguros. Cada uma das formas existentes definirá as tarifas que serão cobradas e que estarão de acordo com os riscos inerentes ao tipo de condomínio.

Portanto, é fundamental verificar em qual categoria o seu condomínio está enquadrado, que, de modo geral. Algumas dessas categorias são:

  • Residenciais verticais com ocupação exclusiva por apartamentos;
  • Residenciais verticais com ocupação predominante por apartamentos;
  • Mistos verticais ocupados por apartamentos, escritórios e comércio em geral;
  • Escritórios verticais com ocupação exclusiva por escritórios;
  • Escritórios verticais com ocupação predominante por escritórios.

Saiba como ocorre a indenização

A indenização poderá ser feita em dinheiro ou ainda por reparo ou reposição dos bens danificados, conforme acordado com a seguradora.

Mas é preciso ficar atento para o seguinte: caso haja a destruição total da edificação por um incêndio, o valor da indenização não será igual ao valor de mercado; neste caso, será definido com base no Custo Unitário Básico (CUB) da construção ou pelo preço por metro quadrado, considerando as metodologias estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Contrate a partir de uma empresa capacitada

O seguro de condomínio inclui uma série de detalhes que precisam ser considerados antes da contratação. Além do valor da apólice que será rateado entre os condôminos, é preciso conhecer detalhadamente as coberturas e restrições da apólice, além do tipo de seguro que é mais adequado para cada caso.

Considerando todos esses detalhes, é importante adquirir o seguro de uma empresa que ofereça consultoria adequada antes da contratação e a assistência completa e permanente.

Agora que você já recebeu ótimas dicas sobre seguro de condomínio, assine nossa newsletter para receber novas informações sobre esse e outros assuntos relacionados a seguros!


Sobre Hygons Hypolito

"O maior beneficio dos seguros é dar tranquilidade para que as pessoas possam sonhar, ousar e realizar com a certeza de que os riscos de viver e trabalhar estão protegidos." Sou empreendedor, corretor de seguros, empresário, curioso, eterno aprendiz, viciado em tecnologia.


Sua opinião é o meu combustível!

Um pensamento em “Confira 9 dicas para fazer um seguro de condomínio