Acionar o seguro do carro: saiba quando vale a pena 7


Seu veículo sofreu um pequeno acidente? O sinistro envolveu o veículo de terceiros? Muita gente já passou por uma situação em que teve que tomar a difícil decisão entre acionar ou não acionar o seguro do carro.

A seguir, você vai acompanhar ótimas dicas para tomar a atitude certa, além de aprender mais sobre tipos de seguros de carro. Independentemente do grau de complexidade da situação, mantenha a tranquilidade e aja racionalmente.

Vamos lá?

Como funciona o seguro de carro?

No Brasil, o seguro de veículos se divide em dois grupos: o seguro obrigatório — DPVAT (Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres) — e o seguro facultativo, comumente vendido como seguro de automóveis, que garante cobertura nas seguintes situações:

  • Ressarcimento de danos (materiais ou pessoais) causados pelo veículo a terceiros;
  • Ressarcimento de danos de acidentes causados ao veículo, ou por roubo ou furto;
  • Indenização aos passageiros acidentados do veículo (e seus beneficiários);
  • Assistência ao veículo e seus ocupantes, em caso de acidente ou pane.

A contratação de um seguro acontece por meio de uma proposta. Ela gera uma apólice, que é o acordo entre segurado e seguradora. É primordial entender todas as regras e garantias contratadas, além das exclusões.

Devem ser estudados o preço, as condições de pagamento e as vantagens oferecidas pela seguradora. É preciso tomar referências sobre a tradição e a credibilidade do corretor e da seguradora.

Lembre-se: andar num carro sem seguro é colocar em risco um patrimônio de alto valor.

O seguro costuma abranger veículos automotores de vias terrestres e reboques. Ou seja, inclui todo tipo de automóvel (carros de passeio, motos, caminhões e ônibus), mas não cobre veículos como trens, barcos e aviões.

O que é a franquia?

É a fatia que você precisa pagar para consertar os prejuízos ao seu carro, a cada sinistro. Esse valor é fixado na apólice do seguro do seu veículo. Em um sinistro com valor inferior ao da franquia, o pagamento das avarias é feito do seu bolso.

Pense numa coparticipação do segurado no valor do orçamento. A seguradora arca com os reparos quando os danos são parciais. Mas o segurado também assume parte desses custos. É um valor que não muda durante o período do contrato.

Se a sua franquia é de R$ 4.000, você será responsável pelo pagamento das despesas para o reparo de avarias até esse valor. Se o prejuízo for de R$ 8.000, por exemplo, você pagará os R$ 4.000 que correspondem à sua franquia, e a seguradora, os R$ 4.000 restantes.

Seguindo esse exemplo, no caso de prejuízos inferiores a R$ 4.000,00, não fica caracterizado um sinistro, pois o custo da reparação é apenas do segurado.

Os tipos de indenização

Perda parcial

São os danos de um acidente que podem ser consertados por um valor abaixo de 75% do valor do carro, ou três quartos. Dependendo da extensão das avarias, a seguradora se responsabilizará pelo reparo do veículo, ficando o segurado somente responsável pelo pagamento da franquia diretamente à oficina.

Indenização integral

O sinistro de danos ao veículo em que financeiramente o reparo ultrapassa o valor a ser coberto é normalmente chamado de “indenização integral”. Isso ocorre quando os custos de reparação do veículo são superiores a 75% da indenização máxima, que é a quantia inteira do valor segurado.

A seguradora indenizará o segurado em valor total equivalente ao veículo — indenização integral —, conforme a contratação escolhida. Num roubo ou furto, a indenização integral só acontece se o carro não for recuperado antes do pagamento da indenização.

Acionando o seguro

Vivendo a complicada situação de um sinistro, a decisão de acionar ou não a franquia do seguro deve ser feita pela matemática. Sempre que você bate o carro, o ideal é avaliar o estrago numa oficina de confiança, para conhecer o prejuízo financeiro.

Hora de pôr na ponta do lápis. Se, para acionar a franquia, você precisa desembolsar R$ 3.000 e o reparo custa R$ 2.000, pague do seu bolso. Caso o orçamento peça que você pague R$ 6.000, acione a franquia e a seguradora vai suprir os R$ 3.000 a mais.

O acidente gerou danos ao veículo de terceiros? Acione. Todos os gastos serão da seguradora.

Para não cometer um erro na hora de acionar a seguradora, é importante que o seu contrato seja o mais adequado para o seu perfil como motorista. São três opções de franquia:

Obrigatória

Corresponde ao valor fixo que a seguradora vai levantar na hora da contratação e você precisa pagar.

Reduzida

É a mais comum, garante um valor menor na hora do acionamento, mas pede um pagamento maior para a contratação.

Facultativa

Nesta, é o contrário: você paga um valor menor na contratação e um maior para ativar a franquia.

Antes de fechar negócio, faça uma reflexão e veja o que vale mais no seu caso. Leve em consideração como você guia seu veículo — se tem uma direção mais conservadora ou agressiva, o que influencia na vida útil das peças.

Pequenos danos

Um farol danificado, um retrovisor quebrado, mesmo um pequeno amasso na carroceria costumam não compensar o acionamento da franquia. O valor da franquia provavelmente será maior, e você pode sair até mesmo no prejuízo.

Normalmente, essas peças são repostas por um valor baixo e com garantia do fabricante, que traz maior segurança e tranquilidade.

Envolveu-se num acidente com terceiros?

Confirme a boa condição de todos os envolvidos no acidente e depois pense no seu veículo. Tenha em mente que os custos não serão seus, mas de quem provocou o sinistro.

Se a pessoa não possui seguro e não garante o conserto, é melhor acionar a seguradora, que tomará as providências com os terceiros.

Causou um acidente?

Primeiro, avalie os estragos provocados. Em pequenos danos, quando o conserto de todos os veículos tem um custo baixo, compare o valor com a franquia. Se o acidente provocou grandes estragos, é preciso registrar um sinistro com a seguradora. A seguradora arcará com o conserto do seu carro e de outros envolvidos.

No caso de um roubo ou furto, compensa acionar o seguro pois não há pagamento de franquia.

Um seguro transmite a segurança e a tranquilidade sobre o patrimônio. Preze por uma empresa que ofereça um atendimento próximo mesmo pós-venda. Credibilidade é tudo num mercado com mão de obra irregular. Um profissional capacitado administrativa e tecnicamente garante um bom serviço.

E aí, entendeu melhor sobre os tipos de seguro de carro? Já sabe quando deve acionar o seguro? Tem mais dúvidas? Comente abaixo e estaremos prontos para atender você!


Sobre Hygons Hypolito

"O maior beneficio dos seguros é dar tranquilidade para que as pessoas possam sonhar, ousar e realizar com a certeza de que os riscos de viver e trabalhar estão protegidos." Sou empreendedor, corretor de seguros, empresário, curioso, eterno aprendiz, viciado em tecnologia.


Sua opinião é o meu combustível!

7 pensamentos em “Acionar o seguro do carro: saiba quando vale a pena