Pare agora e saiba o que fazer em um acidente de trânsito


 

Você pode dirigir incrivelmente bem, ter seu veículo bem cuidado e em dia ou mesmo fugir de estradas e áreas de tráfego intenso: acidentes de trânsito, ainda assim, podem envolver você. Por isso, conhecer as recomendações sobre o que fazer em um acidente de trânsito é necessário, pois isso faz parte da vida de motoristas.

Afinal, você não pode controlar a direção dos outros. As ruas estão cada vez mais cheias: só de 2001 a 2012, a frota de veículos no Brasil mais que dobrou. Por mais que as leis tentem controlar a direção e os hábitos de motoristas, sabemos o quanto o trânsito é responsável por acidentes. Então, a melhor forma de prevenção é ter conhecimento e atenção.

Levantamos as principais orientações sobre como proceder em acidentes de trânsito. Confira o post, para não ter dúvidas e compartilhar com quem você se preocupa!

1. Mantenha a calma

Sim, a primeira coisa a se fazer numa situação dessas é respirar bem fundo e tentar manter a calma. Por mais difícil que seja, desesperar-se tende a piorar as coisas.

Se você costuma entrar em pânico nesse tipo de situação, um exercício de respiração pode ajudar: por exemplo, dentro de um saco. Caso dê vontade de fugir, pare o quanto antes, retorne até o local e respire. Perder o direito de dirigir não vale a pena.

A principal orientação que vamos passar é: confie nas autoridades responsáveis, para tudo. Então, jamais tente responsabilizar o culpado, perseguir fugitivos ou amparar as vítimas. Afinal, os profissionais são treinados para isso. Insistir pode piorar ou causar novos acidentes. O que mais você pode fazer? Veja a seguir!

2. Sinalize bem o local

Para prevenir que outros acidentes aconteçam, sinalize apropriadamente o local. Para isso, ligue as luzes de alerta do veículo e posicione o triângulo de segurança nas seguintes distâncias: 20 metros, em vias locais cujo limite seja de 40 km/h; e 30 metros em avenidas de 60 km/h.

Se for o caso, sinalize antes da curva que antecede o local do acidente. Em estradas, é indicado sinalizar centenas de metros antes, usando até galhos e vegetação.

3. Veja se há vítimas

Essa é uma diferenciação básica e essencial entre os acidentes: aqueles com vítimas e os sem. Se houve batida, capotamento ou perda de direção, você deve se acalmar; depois, já calmo, saia do carro (caso não seja perigoso) e procure por vítimas. Veja com outros envolvidos se estão todos bem, assim como com pedestres e passantes.

Caso encontre algum ferido, acione os serviços de emergência na mesma hora: Polícia Militar (190), Polícia Rodoviária Federal (191), SAMU (192) ou Corpo de Bombeiros (193). Nunca mude seu veículo de lugar, nem mova os feridos: isso pode causar sequelas graves! No máximo, converse com a vítima, para deixá-la consciente.

Como dissemos acima, não vale a pena perder a carteira de motorista por causa de acidentes. Você sempre deve prestar socorro, mesmo que o acidente não tenha sido sua culpa.

4. Anote os dados dos envolvidos

É interessante sempre andar com papel e caneta no porta-luvas do veículo. Assim, caso você presencie ou se envolva em acidentes de trânsito, você pode registrar os dados dos envolvidos.

Anote primeiro a placa dos outros veículos, logo depois os nomes e dados das demais pessoas (como endereço e contato — se derem celular, ligue na mesma hora para testar!). Tirar fotos dos outros veículos envolvidos também é interessante.

Os dados já seriam necessários para o caso de negociação de indenização e conserto. Ao anotar, você evita a perda do contato, caso alguém fuja ou saia do entorno.

5. Faça um Boletim de Ocorrência

Por mais que seja opcional, o Boletim de Ocorrência (BO) deve ser feito sempre. Também chamado de Declaração de Acidente de Trânsito, é esse documento que comprova legalmente o acidente. No caso de processos judiciais, ele será fundamental. Além disso, você evita que outras partes envolvidas façam um BO com má-fé.

A maioria das polícias disponibiliza BOs online. Nas estradas federais, a declaração também pode ser feita via internet. Para isso, o acidente deve atender requisitoscomo não ter vítimas ou ser muito simples. Caso atenda, a declaração eletrônica pode ser feita.

6. Entre em contato com a seguradora

A ajuda da seguradora nesses momentos é um alívio sem igual. Se você foi o culpado pelo acidente, pode assumir a culpa sem medo; se não, também não precisa se preocupar tanto com ser prejudicado. Entre em contato com a empresa e veja se é o momento de acionar o seguro do veículo.

Os atendentes da seguradora guiarão você entre os procedimentos a tomar e podem ajudar a chamar reboque, caso necessário.

7. Remova o carro da via

Caso nem você, nem ninguém tenha se ferido com o acidente, remova o carro da via. Assim, você desobstrui a via e permite que o trânsito volte a fluir, diminuindo o risco de mais acidentes.

Mas não dirija muito: ainda é importante que a polícia faça a perícia, caso você peça um Boletim de Ocorrência. A perícia ajudará a determinar a responsabilidade pelo acidente.

8. Tenha cautela ao negociar

Quando há danos a veículos de terceiros, já se sabe que será necessário negociar a resolução. Em geral, o que se espera é que uma das partes assuma a responsabilidade e ofereça cobrir o valor dos gastos com o reparo.

É importante salientar aqui a importância das autoridades e do Boletim: havendo documentos em que ficam registrados dados como a perícia, há menos risco de não cumprimento de trato ou responsabilização. Você pode recorrer a testemunhas também, anotando seus dados.

Agora você pode ter mais tranquilidade ao dirigir. Afinal, você já sabe o que fazer em um acidente de trânsito. Vimos a importância de chamar as autoridades, registrar o ocorrido, não tomar ações ou prestar assistência impensadamente e entrar em contato com a seguradora.

Será que seus amigos e familiares que dirigem conhecem essas orientações? Na dúvida, compartilhe este post com eles nas redes sociais! Eles também vão gostar de se informar!


Sobre Hygons Hypolito

"O maior beneficio dos seguros é dar tranquilidade para que as pessoas possam sonhar, ousar e realizar com a certeza de que os riscos de viver e trabalhar estão protegidos." Sou empreendedor, corretor de seguros, empresário, curioso, eterno aprendiz, viciado em tecnologia.

Sua opinião é o meu combustível!