Seguros: contratados com bancos X contratados com corretores


 

Quem tem conta bancária provavelmente já recebeu alguma oferta de seguro — seja ele automotivo, de vida, residencial ou de condomínio. Pela comodidade, pode parecer tentador aceitá-la, mas isso pode não ser o melhor para você e para sua família.

Para entender mais sobre o assunto, vale a pena ler nosso post de hoje e ver as diferenças entre os seguros contratados com corretores e aqueles contratados com bancos. Ao final, você chegará à sua conclusão. Confira!

1. Quem oferece mais opções de seguradoras?

Em geral, as instituições bancárias trabalham em parceria com apenas uma seguradora. Nesse sentido, todos os seguros ofertados por elas serão dessa mesma empresa, o que impede o consumidor de ter acesso a diferentes opções.

Por outro lado, os corretores oferecem planos de diversas seguradoras, com inúmeras opções de benefícios, coberturas e preços, justamente para encontrar o que melhor atende a cada cliente. Dessa forma, o consumidor não fica limitado.

2. Qual dos dois possui mais expertise no assunto?

O gerente de um banco domina assuntos financeiros como investimentos e gerenciamento de contas. No entanto, os seguros e seus benefícios não é um tema sobre o qual ele possui expertise — o que é bastante compreensível.

O corretor, por sua vez, é um profissional dedicado, capacitado e especializado nesse assunto. Seu amplo conhecimento sobre seguros e seguradoras permite que ele avalie seu cliente com mais profundidade e segurança para identificar o seguro ideal.

3. Quais são os tipos de atendimentos oferecidos?

O atendimento oferecido pelo banco aos seus clientes é padrão. Isso significa que os mesmos tipos de seguros, com os mesmos benefícios, serão oferecidos a todos indiscriminadamente — afinal, os produtos oferecidos já são pré-moldados. Logo, você corre o risco de contratar um seguro que não é o ideal para você.

O atendimento oferecido pelo corretor de seguros, por outro lado, é personalizado. O corretor busca o seguro que melhor atende a cada cliente, considerando suas necessidades, seu estilo de vida, sua condição financeira e os riscos a que ele está mais suscetível. Tudo para que o cliente contrate o seguro que efetivamente vai protegê-lo e que atenda à sua demanda.

4. Quais são as exigências de relacionamento?

É provável que a sua instituição bancária já tenha oferecido algum tipo de seguro a você, certo? Ocorre que, para contratar o seguro com o banco, é necessário ter um vínculo com ele, seja por uma conta ou por um investimento. O cliente, portanto, fica refém do banco com o qual mantém um relacionamento e não pode pesquisar opções.

O mesmo não acontece com uma corretora de seguros, já que os clientes não precisam ter um vínculo prévio e podem pesquisar e escolher entre as diferentes condições oferecidas por diferentes corretoras. Isso amplia as possibilidades do cliente, na medida em que não o engessa e o obriga a contratar com determinada empresa.

5. Como ficam os riscos de venda casada?

A venda casada é uma prática abusiva e condenada pelo Código de Defesa do Consumidor. Ela consiste em condicionar a venda de um produto à de outro produto, como o financiamento de um veículo condicionado à aquisição de um seguro automotivo. Essa prática, embora condenada, é adotada por algumas instituições bancárias na hora de oferecer seguros.

O consumidor deve estar atento para não se ver em uma armadilha como essa. A contratação de um seguro com um corretor, no entanto, não estará condicionada à contratação de outro produto.

O consumidor pode, por exemplo, contratar diferentes seguros com diferentes corretores, embora o mais interessante seja concentrar em único corretor. O importante, portanto, é que a compra de uma apólice de seguros seja livre, considerando apenas os interesses do comprador.

6. Como é o suporte após a contratação?

Em casos de sinistro ou problemas com a apólice, é natural que o consumidor precise do apoio e da orientação do corretor para solucionar da melhor forma possível sua situação junto à seguradora. Nesse momento, a contratação do seguro com o corretor ou com o banco fará toda a diferença, já que este último não costuma oferecer esse tipo de auxílio.

Como já mencionamos, a corretagem de seguro não é o foco do gerente de banco, mas apenas um complemento de seu trabalho. Caso haja esse atendimento, ele será restrito aos dias úteis e em horário comercial.

O corretor, por sua vez, está preparado para lidar com a seguradora e para solucionar aquela demanda o mais rápido possível, visando a atender o seu cliente da melhor forma. Como sinistros podem acontecer a qualquer dia e a qualquer hora, ele ou um representante estarão disponíveis todo o tempo.

7. O que fazer para escolher o melhor corretor?

Como você já deve ter percebido, a relação com o corretor de seguros não é como a relação com um vendedor qualquer. Pelo contrário, ele te auxilia em uma decisão importante para você e sua família e, além disso, vocês estarão novamente em contato em um momento difícil de sua vida, que é a ocorrência de um sinistro — ainda que se trate algo brando.

Acontece que, nesses momentos, estamos mais vulneráveis e precisamos da orientação e do apoio de quem confiamos. Por isso, na hora de contratar um seguro, é importante identificar-se com o corretor e sentir segurança na sua orientação. Ao procurar um corretor de seguros, você terá a liberdade de fazer essa escolha.

Em um banco, no entanto, o funcionário será aquele indicado pela instituição e, havendo necessidade de voltar a contatar esse funcionário em razão de um sinistro ou de alguma dúvida, pode ser que você não seja atendido pela mesma pessoa. Não existe, portanto, essa relação próxima e de confiança entre corretor e cliente.

8. Qual é a recomendação da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP)?

A SUSEP recomenda a contratação de seguros por meio de corretores devidamente habilitados pela instituição. Esses corretores passaram por um processo, seguindo critérios rigorosos, para que fossem habilitados e recomendados pela SUSEP.

Em caso de erro ou negligência, eles podem ser responsabilizados por seus atos ou por suas omissões, pois são profissionais especializados e representantes legais do segurado no negócio jurídico.

Nas instituições bancárias, por sua vez, os seguros são oferecidos pelos gerentes do banco, ou seja, pessoas que não têm como profissão a corretagem de seguros — por isso, eles geralmente não estão devidamente habilitadas pela SUSEP.

Como você pôde notar, são inúmeras as diferenças entre seguros contratados com corretores e seguros contratados com bancos. Por isso, por mais que seja cômodo fazer a contratação em seu banco, vale a pena pesquisar e contratar seguros com um corretor habilitado pela SUSEP e de sua confiança.

Interessante esse assunto, não é mesmo? Então aproveite para assinar nossa newsletter e aprenda ainda mais sobre seguros!040


Sobre Hygons Hypolito

"O maior beneficio dos seguros é dar tranquilidade para que as pessoas possam sonhar, ousar e realizar com a certeza de que os riscos de viver e trabalhar estão protegidos." Sou empreendedor, corretor de seguros, empresário, curioso, eterno aprendiz, viciado em tecnologia.

Sua opinião é o meu combustível!