Quais os riscos de não escolher uma seguradora competente?


 

A contratação de seguros não é uma tarefa simples. No entanto, essa é uma opção muito importante para proteger os seus bens e garantir o futuro das pessoas que você ama.

Existem diferentes tipos de seguros: para veículos, para imóveis e de vida. Na hora de escolher o mais adequado para o seu perfil, alguns cuidados especiais devem ser tomados.

O contratante deve avaliar uma série de questões, afinal, trata-se de um contrato que fornece garantias em relação a eventos que podem ou não ocorrer no futuro. Veja, abaixo, os riscos de não escolher uma seguradora competente:

Não ter acesso a uma fonte segura de conhecimento sobre seguros

Uma das maiores dificuldades para os consumidores na atualidade é escolher uma seguradora confiável. Isso pode ser resolvido com a negociação por meio de um corretor de seguros que esteja legalmente habilitado.

Algumas instituições não são autorizadas pela SUSEP (Superintendência de Seguros Privados) e, ainda assim, comercializam os seguros ilegalmente. Em decorrência disso, os compradores de seguros correm sérios riscos de não ter os direitos garantidos.

Então, antes de contratar o seu seguro, verifique se o nome da empresa consta como entidade autorizada no site da SUSEP. Além disso, busque o auxílio de um corretor de seguros, que está preparado para realizar a pesquisa de mercado e dar todas as dicas necessárias.

Não ter conhecimento sobre o mercado

O mercado de corretoras de seguro é extenso e oferece uma diversidade de opções aos interessados. A falta de conhecimento sobre o assunto, portanto, pode trazer prejuízos aos contratantes.

Por esta razão, é interessante falar com um profissional especializado em vez de comprar diretamente das seguradoras ou das agências bancárias. As vantagens de ter o seu corretor de seguros é que você terá toda a assistência após a assinatura do contrato, caso precise acionar a seguradora.

Não saber lidar com seguros mais complexos

Algumas condições tornam o seguro mais complexo e, por isso, devem ser avaliadas pela seguradora e pelo segurado. Alguns exemplos são as avaliações da idade e da experiência do contratante, bem como as possibilidades de ocorrência do sinistro. ​

Todas as informações exigidas geram uma variação no preço a ser pago pelo adquirente. Dessa forma, dependendo de quem faz a aquisição, o valor poderá ser bem menor.

O corretor já está acostumado a negociar e, com isso, pode conseguir descontos significativos para você, além de ajudá-lo a escapar das fraudes e de possíveis cláusulas prejudiciais.

Ter o pagamento dos valores recusado pela seguradora

Dependendo da situação, a seguradora pode ter o direito de negar o pagamento do seguro, desde que esteja agindo de acordo normas vigentes e com o instrumento contratual assinado por ambas as partes.

A empresa terá o prazo de 15 dias para realizar a avaliação e recusar, se for o caso. Por isso, é importante que o contrato seja analisado por alguém que entenda tudo o que está escrito.

Razões para a seguradora negar a indenização

A seguradora pode decidir não pagar a indenização. Esse é um risco que pode se tornar realidade quando os danos sofridos pelo segurado não estavam incluídos na apólice, ou pela existência de cláusula que leva à perda do direito.

Outras causas bastante comuns são: omissão de detalhes do documento contratual no momento da contratação do seguro e descumprimento das obrigações por parte do segurado.

​Isso reforça a ideia de que o auxílio de profissionais capacitados é imprescindível para garantir o recebimento dos valores pretendidos pelo segurado.

Não comprar a melhor opção

Diante de inúmeras possibilidades, o consumidor pode não encontrar sozinho a melhor opção. É claro que nenhum seguro vai satisfazer todas as suas necessidades, mas é possível escolher a melhor opção quando você recebe todas as informações necessárias.

Apesar de os bancos oferecerem diversos tipos de seguros, os gerentes têm a função de trabalhar para a instituição, e não para o segurado. Portanto, vale a pena avaliar a proposta de uma empresa especializada, que tenha corretores de seguros de confiança à disposição em todos os momentos.

Golpe de mercado

Pessoas mal intencionadas estão oferecendo seguros e inventando métodos que permitem contratos com um custo muito baixo. Porém, esses instrumentos contratuais são ilegais e não produzem efeitos no mundo jurídico.

Trata-se de fraudes cometidas por “instituições” com o único objetivo de arrecadar dinheiro para, em seguida, desaparecer. Muitos segurados acabaram caindo nesses golpes e foram prejudicados por não procurar ajuda.

Apesar das denúncias, das investigações e dos procedimentos judiciais realizados pela SUSEP e pela Polícia Federal e Ministério Público, elas infelizmente continuam ativas.

O que precisa ser avaliado

A escolha do seguro ideal é uma decisão muito importante. Por isso, os fatores abaixo devem ser previamente avaliados:

  • Disposição de produtos;
  • Boa reputação da seguradora;
  • Tempo que a empresa está no mercado;
  • Preços;
  • Processos judiciais;
  • O cadastro na SUSEP.

Tipos de seguros

Todos os seguros são essenciais para garantir que você não perca os seus bens. O seguro residencial pode cobrir tanto a perda total, em caso de incêndios ou elementos da natureza, como danos menores, incluindo consertos na rede elétrica e outros serviços.

Já o seguro de automóveis possui coberturas básicas e obrigatórias que incluem furto, roubo, incêndio ou colisão. Mas existem outras opcionais que podem ser pactuadas, como, por exemplo, danos a terceiros e carro reserva para ser usado quando o seu estiver no conserto.

Por fim, o seguro de vida é o mais importante, já que ele cobre muitos danos físicos que o segurado pode vir a sofrer. Além da indenização dos familiares em caso de morte do segurado, existem valores estipulados para as situações de invalidez total ou parcial, doenças graves, despesas médicas ou hospitalares e perda de membros do corpo ou dos sentidos.

Não ter um consultor na apólice

O corretor de seguros também é considerado um consultor, e não é apenas um vendedor de seguros. É um profissional capacitado, legalmente habilitado e com um número de registro para realizar a venda do melhor produto ao cliente.

O seu trabalho é regulamentado pela Lei 4.594/64, pelo Decreto-Lei nº 73/1966 e pela Resolução CNSP nº 249/2012, sendo ele o responsável por sanar todas as dúvidas do contratante.

Tanto pessoa física quanto pessoa jurídica podem atuar na promoção dos contratos de seguros. Mas se você não tiver um consultor na apólice, terá que ir até a seguradora e tentar resolver tudo sozinho.

No entanto, quando você tem o seu corretor de seguros, basta relatar a ele o que está acontecendo. No mesmo instante, o consultor entrará em contato com a seguradora e tomará todas as providências para que você seja ressarcido.

A importância do defensor após a ocorrência

Após ocorrer o evento previsto no instrumento contratual, causando dificuldades ao segurado, é possível acionar o seu corretor para que ele atue também como defensor.

Esse profissional possui habilidades para agir na sua defesa e pode fazer toda a diferença na hora de pleitear os seus direitos, já que ele sabe exatamente com quem falar e quais valores podem ser exigidos em caso de sinistros.

Além do mais, ele possui uma carteira de identificação emitida pela SUSEP, concedida ao profissional após aprovação em exame. Portanto, o corretor de seguros está apto para defender o segurado, além de repassar as orientações corretas.

Agora que você já sabe mais sobre como escolher uma seguradora, procure a melhor opção para proteger o seu patrimônio e oferecer tranquilidade às pessoas que estão do seu lado. Há empresas especializadas com profissionais dedicados que vão lhe atender sempre que procurados, especialmente após a venda do seguro.

Gostou do post? Curta a nossa página no Facebook e continue acompanhando nossas novidades!


Sobre Hygons Hypolito

"O maior beneficio dos seguros é dar tranquilidade para que as pessoas possam sonhar, ousar e realizar com a certeza de que os riscos de viver e trabalhar estão protegidos." Sou empreendedor, corretor de seguros, empresário, curioso, eterno aprendiz, viciado em tecnologia.

Sua opinião é o meu combustível!