Entenda como acionar o seguro para carro do jeito certo


 

Muitos segurados pensam que podem acionar o seguro para carro a qualquer momento. No entanto, não é bem assim que ele funciona. Principalmente em casos de pequenos danos, no qual você pode perder algumas bonificações firmadas no contrato da apólice.

É perfeitamente normal que alguns tomem decisões precipitadas, por causa do susto e do prejuízo que a colisão pode causar. Mas, em situações como essas, é preciso manter a calma e proceder da maneira mais prudente possível, para que ninguém saia prejudicado.

Neste post vamos mostrar como acionar o seguro da maneira correta. Confira!

Quando solicitar um boletim de ocorrência?

Logo após a colisão, acione a polícia no local em que o fato ocorreu. Ao agir dessa forma, você mostrará transparência para a seguradora, por meio dos detalhes do acidente e a assinatura de ambas as partes.

Quem não estiver presente, ou evadir-se do local, perderá a chance de dar sua versão da batida. Por exemplo, se o envolvido fugir ele terá que utilizar o boletim de ocorrência com a versão dos fatos do outro, piorando ainda mais sua situação.

Como agir para entrar em um consenso de quem foi o culpado pelo acidente?

Existem dois casos muito comuns. Acompanhe-os abaixo:

Choque de veículos causado por terceiros

Antes de tudo, tenha calma e procure saber se todos os envolvidos estão bem e só depois disso pense nos problemas materiais. Conversem entre si e procurem entender o que aconteceu, evitando colocar a culpa um no outro pelo ocorrido.

Se for constatado que o acidente não foi provocado por você, obviamente os custos não serão seus. Assim, quem provocou o acidente é que deverá tomar providências. Nesse sentido, caso o outro motorista possua seguro, será ele o responsável por acioná-lo. Nesse caso, não há necessidade de você solicitar o sinistro — prejuízo causado pelo veículo que são custeados pela seguradora —, portanto, apenas comunique-a do ocorrido.

Se o motorista não possuir seguro e se comprometer em quitar os custos de reparo por conta dele, também não é preciso registrar o sinistro. Contudo, se o culpado não arcar com o conserto, a melhor opção é acionar a seguradora que, tomará suas dores, e irá atrás dessa pessoa.

Choque de veículos causado por você

Primeiramente, avalie o estrago que foi causado. Caso sejam danos pequenos de ambos, tente ver se você atingiu a franquia — valor obrigatório que o seguro cobra para consertar seu carro ou do outro. Por exemplo, se você escolheu uma franquia de R$2.000, a seguradora pagará somente os reparos que ultrapassarem esse valor.

Além disso, saiba que somente as oficinas mecânicas cadastradas pela seguradora farão os reparos utilizando a franquia. Então, procure de antemão os estabelecimentos com quem a empresa possui contrato.

No entanto, se houver grandes estragos, você terá que registrar um sinistro com a protetora do veículo.

Como contatar a seguradora?

Com os orçamentos já realizados é hora de falar com sua seguradora. O número do telefone do CAC (Central de Atendimento) fica no cartão do seguro.

Tenha em mãos seus dados pessoais, o número do contrato do seguro (apólice), e os dados dos envolvidos no acidente. Adicionalmente, envie fotos por e-mail para reforçar sua credibilidade e agilizar o processo.

Após o contato, a vistoria será feita pela seguradora, assim que o veículo estiver na oficina. Lá será avaliado se o estrago é o mesmo que você relatou. Não se esqueça de, também, levar seu carro para avaliação, a fim de solucionar eventuais dúvidas e comprovar as áreas do veículo que precisam de reparo.

Você pode acionar o sinistro via internet, caso a seguradora ofereça essa opção. Isso é mais comum quando o acidente é muito grave e é necessário solicitar um guincho para retirar o automóvel do local. Se o estrago for menor, você pode contatá-la com mais calma, em sua casa, e programar a vistoria.

Especialmente, em casos fortuitos como queda de árvore sobre o veículo, por exemplo. Nesse caso, a seguradora só irá arcar com os danos se você tiver rejeitado a cobertura básica e optado pela cobertura compreensiva do seguro, que também inclui:

  • colisão, capotagem ou derrapagem;
  • abalroamento (colisão violenta);
  • dano causado quando o veículo estiver sendo transportado;
  • danos praticados por terceiros;
  • queda de objeto externo sobre o automóvel;
  • fenômenos naturais: quedas de árvore, granizo e enchente;
  • incêndio;
  • entre outros casos firmados em contrato.

Como proceder se o carro for roubado?

O seguro (tanto o básico quanto o compreensivo) também cobre furto de veículo. Se acontecer, registre o dia, o horário e local em que o seu carro foi furtado, além é claro, de se dirigir imediatamente a uma delegacia para fazer o boletim de ocorrência. Depois, contate a seguradora, que terá 30 dias corridos para efetuar o pagamento.

Vale saber ainda que se:

  • se o carro for encontrado após o ressarcimento, ele pertencerá à seguradora;
  • se você mudar de endereço e não informar a seguradora, perderá a indenização;
  • se seu veículo for usado por uma segunda pessoa e essa informação foi previamente passada à seguradora, em caso de roubo, você será indenizado.

Como e quando usar o DPVAT?

Se a colisão machucou alguém, comunique imediatamente o ocorrido para a seguradora. A maioria delas se comprometem com danos a terceiros. Caso ela não dê respaldo, recorra ao DPVAT, que é o seguro obrigatório que você faz junto ao pagamento do IPVA.

Saiba que o DPVAT não cobre danos dos veículos. Ele cobre exclusivamente pessoas acidentadas. Em despesas médicas ele dispõe a quantia máxima de R$2.700 e R$13.500 se o acidentado ficar inválido ou vir a óbito. Todo cidadão envolvido no acidente tem direito a esse seguro.

Para solicitá-lo é simples, basta se dirigir em qualquer ponto de atendimento relacionado. O valor solicitado sai em 30 dias.

Por que em alguns casos você deve se comprometer com os custos do acidente?

Ao possuir um seguro você não deve acioná-lo em todas as ocorrências, de forma imprudente, uma vez que ele pode custar muito caro se solicitado sem necessidade.

Nesse caso, quando o sinistro do carro é solicitado, a seguradora sai prejudicada e penaliza o segurado reduzindo seus pontos do seguro, que são uma espécie de garantia que você tem e pode ser convertida em descontos para a renovação da apólice.

Ou seja, quanto mais tempo você acumula sem registrar um sinistro, mais pontos você terá para converter em descontos. Portanto, avalie sempre sua situação antes de decidir como proceder.

Tendo isso em mente, faça vários orçamentos e, se compensar, arque com os custos, pois muitas vezes essa é a melhor opção.

Como você pode perceber, acionar o seguro para carro é uma situação delicada e que precisa de uma negociação honesta entre os envolvidos. Gostou do nosso post? Aproveite e assine a nossa newsletter aqui embaixo para receber mais conteúdos interessantes como este!


Sobre Hygons Hypolito

"O maior beneficio dos seguros é dar tranquilidade para que as pessoas possam sonhar, ousar e realizar com a certeza de que os riscos de viver e trabalhar estão protegidos." Sou empreendedor, corretor de seguros, empresário, curioso, eterno aprendiz, viciado em tecnologia.

Sua opinião é o meu combustível!